Nossos Filhos e o Que Está Acontecendo em Gaza

Palavras de Aconselhamento » Crianças & Família

É difícil para nós, como adultos lidar com o que está se desdobrando em Gaza nestes dias. Como podemos esperar que nossos filhos possam lidar com isso? Isto é especialmente quando eles vêem e ouvem na televisão os acontecimentos trágicos e sangrentos que estão ocorrendo. Os adultos são capazes de entender o que eles vêem na televisão e seguir produtivamente com suas vidas. De fato, muitos aprenderam a lidar com o grande número de crises e guerras que as notícias expõem ano após ano. No entanto, as crianças precisam de cuidados especiais para lidar com estes trágicos acontecimentos, sem sofrer efeitos psicológicos adversos.

Mesmo se fizermos todo o possível em proteger nossos filhos das descrições do que está acontecendo em Gaza, à mídia, invariavelmente, vai expor as imagens e os acontecimentos que são profundamente perturbadores. Os seguintes conselhos podem ser tomados pelos pais para ajudar seus filhos fazerem frente a isso:

1. Precisamos ser receptivos aos sentimentos de nossos filhos. Quando as crianças expressam medo ou preocupação sobre o que vêem ou ouvem, o papel dos pais é aceitar esses sentimentos de seus filhos sendo eles naturais. Os pais precisam transmitir aos seus filhos que todas as pessoas possuem estes sentimentos – até mesmo os adultos. Quando uma criança sabe que seus sentimentos são normais, sabendo que ele ou ela não são os únicos a terem esse sentimento de medo, ela conseguirá lidar de maneira mais positiva com esse medo, especialmente quando ele ou ela vê que os adultos compartilham de tais temores e continuam exercendo as suas atividades diárias de forma normal.

2. Não devemos criticar o medo que nossos filhos sentem ou negar seus sentimentos. Muitos pais dizem coisas como: “Não há nenhuma razão para ter medo” ou “Não tenha medo”. Eles acreditam que tais palavras acalmam os temores de seus filhos. Porém este não é o caso. Ao negar os sentimentos que as nossas crianças estão enfrentando, nós realmente agravamos os seus temores, porque eles sentem que estão fazendo algo de errado quando possuem tal sensação. Eles precisam saber que todos sentem medo, da mesma forma como elas também sentem.

3. Precisamos incentivar nossos filhos a demonstrarem seus sentimentos. Algumas crianças necessitam expressar seus sentimentos ao mundo antes que possam lidar com esses sentimentos. Além disso, algumas crianças confundem seus sentimentos genuínos com os imaginários. Ao falar sobre o que sentem muitas crianças se confortam, pois sabem que existe sempre uma saída cada vez que se sentem sob estresse. Como pais de família, precisamos incentivar a comunicação e também aceitar o que eles sentem, sem críticas ou condenação, como já explicamos.

4. Devemos responder às suas perguntas honestamente. Diante de tal crise, as crianças terão certamente muitas perguntas passando por suas mentes. Além disso, a imaginação fértil que as crianças possuem pode construir coisas em suas mentes que não têm fundamento mediante a realidade. É por isso é fundamental – não importa quão complicada ou boba possam parecer as perguntas de nossos filhos para nós como pais de família – que façamos o nosso melhor esforço para responder a essas perguntas com precisão e honestidade. Se não soubermos a resposta, devemos ser capazes de dizer: “Eu não sei”.

As respostas honestas ajudam nossos filhos distinguirem o que é a realidade a partir das construções de sua imaginação. Se as crianças não encontram as respostas das pessoas que admiram, sua imaginação irá correr solta.

5. Podemos ajudar nossos filhos descrevendo o que estão sentindo. Depois que uma criança fala sobre o que ele ou ela sente, é possível que os pais identifiquem ou descrevam esse sentimento para a criança. Por exemplo, um pai pode dizer: “Você está com medo de seus irmãos e irmãs na Palestina” ou “Você está preocupado que a mesma coisa poderia acontecer conosco aqui”.

Ajudar a colocar seus sentimentos em palavras, não piora as coisas como algumas pessoas pensam. Pelo contrário, ela ajuda as crianças psicologicamente, permitindo-lhes compreender melhor o que está acontecendo através de suas mentes, e por saber que as pessoas ao seu redor compreendem e respeitam seus sentimentos.

6. Precisamos ensinar nossos filhos como lidar com seus medos. Ao mostrar solidariedade para com os medos de nossos filhos, ajudamos eles a superá-los. Quando uma criança diz que ele ou ela tem medo que as bombas caiam sobre a casa, é uma oportunidade para explicar à criança que essas coisas são realmente assustadas, porém estão acontecendo em um lugar distante. Devemos nos sentir preocupados, mas não para nós mesmos, mas para nossos irmãos e irmãs de lá que estão vivendo essa tragédia. Podemos aproveitar esta ocasião para ensinar nossos filhos a suplicar a Deus pedindo ajuda e proteção.

7. Devemos canalizar os seus sentimentos de maneira positiva. As crianças estão mais dispostas do que os adultos em sentir simpatia pelos demais e fazer sacrifícios por eles. Podemos pedir aos nossos filhos a darem sugestões de como podemos ajudar nossos irmãos e irmãs em Gaza. Talvez as crianças possam doar parte do seu dinheiro – não importa se for muito pouco – para ajudar às vítimas da tragédia. Isto aumenta o sentido de solidariedade e ao mesmo tempo reduz seus sentimentos de medo. Isso aumenta o desejo das crianças a serem mais caridosas em suas vidas futuras, e estarem em prontidão nas suplicas a Allah para ajudar aqueles que estão sofrendo.

8. Devemos aproveitar a ocasião para ensinar os nossos filhos. Muitas crianças não apreciam o que possuem. Nascem em uma vida onde eles são abençoados com uma casa confortável, comida todos os dias e muitos brinquedos para brincar. Tudo isso passa despercebido por eles. Quando são perturbados por uma tragédia como a que está ocorrendo na Faixa de Gaza, podemos aproveitar a oportunidade para ensinar nossos filhos à importância de agradecer a Allah pelas bênçãos que Ele derramou sobre nós. Podemos fazer nossos filhos tomem ciência do fato de que outros não possuem essas coisas que nos passam despercebidas. Existem crianças que não tem nem sequer o que comer e muitas vezes os nossos filhos desprezam o que comem. Os pais podem lembrar aos seus filhos que suas reclamações não podem ser comparadas com o sofrimento das crianças de Gaza que estão passando, pois elas  perderam quase tudo, exceto a sua esperança em Allah.

9. Temos de explicar que a nossa fé em Allah nos ensina sobre as dificuldades da vida. Precisamos explicar aos nossos filhos que aos decretos de Allah quanto àquilo que a população de Gaza sofre também faz parte do Seu amor por Suas criaturas. Allah através da adversidade agracia Seus servos com a chance de mostrarem paciência e fortalecerem a sua fé na certeza da Sua promessa. Dessa forma, ensinamos a nossos filhos que através de uma crença correta e firme, podem lidar melhor com a adversidade em suas próprias vidas.

10.Precisamos mostrar aos nossos filhos que os amamos. Às vezes as crianças precisam ter certeza de que seus pais farão de tudo para protegê-los do que os assusta. Eles precisam saber que seus pais estão ali para eles. Precisamos abraçar e beijar nossos filhos quando vemos que eles estão com medo ou sob estresse. Ao mesmo tempo, dependendo da idade da criança, é preciso dar confiança ao filho que Allah, em Sua sabedoria, decretou tudo para a humanidade e que devemos confiar em Allah e continuar com nossas vidas, embora haja perigos lá fora.

Espero que estas palavras de conselho ajudem os nossos filhos a lidar de forma positiva com a crise que está ocorrendo, embora as dificuldades de nossos filhos não sejam nada em comparação ao que as crianças de Gaza estão sofrendo.

Por fim, peço a Allah para ajudar os nossos irmãos e irmãs em Gaza. Em verdade, Ele é o Todo-Poderoso, e Ele é aquele que devemos recorrer para pedir ajuda.


Unicidade e Luz
Explicando o Islam de forma clara e simples