Tauhid a primeira obrigação

Irmão de Fé:

Sabendo que Allah te criou apenas para que O adorares saiba também, que tal adoração não existe sem o Tauhid (Monoteísmo), da mesma maneira que o Salah (a oração) é antecipada pela a purificação. Assim deves saber que a adoração misturada com Shirk (Politeísmo) não tem validade e o seu praticante estará eternamente no inferno.

Isso fundamenta-se com o versículo que se segue:

“E disse o Messias (Jesus filho de Maria – Issa ibn Mariam): Ó Israelitas, adorai Allah meu e vosso Senhor. Certamente quem Lhe associar semelhantes, Allah lhe vedará a entrada no Jannat (Paraíso) e a morada desse será o inferno. Portanto os injustos jamais terão quem os socorra”.  (Alcorão 5:72)

“E se tivessem praticado o Shirk (politeísmo) as suas boas acções seriam nulas”. (Alcorão 6: 88)

Neste contexto, é uma pura ilusão pensar que a adoração ou qualquer boa acção misturada com Shirk seja aceita por Allah, e muito menos a espera do Seu perdão, partindo do seguinte versículo:

“De certo que Allah não perdoará a quem Lhe associar algo. À parte isso perdoará a quem Lhe apraz”. (4: 48)

Por isso, quem associar uma criatura ao Criador está fazendo semelhanças com Allah e essa criatura o que constitui a pior injustiça uma vez que a injustiça é agregar alguma coisa num lugar impróprio. Assim, quem adorar alguma coisa em vez de Allah, agregou algo nessa adoração num local inadequado. Vejamos o seguinte versículo:

“De facto o politeísmo é uma grande injustiça”. (Alcorão 31: 13)

De maneira que todas as injustiças ocorridas hoje no mundo resultam na falta da verdadeira crença em Allah, que consiste na Sua Unicidade (Tauhid), pois Allah disse-nos que enviou os Seus mensageiros, Seus livros e a balança da justiça para as pessoas aplicarem tendo como base a própria justiça. Sem dúvida, se não praticado o verdadeiro Monoteísmo (Unicidade de Allah), argumente os humanos o que quiserem, jamais será aplicada na integra a verdadeira justiça na Terra. Além disso, os humanos estão cientes dessas injustiças apesar de se intitularem defensores da justiça com as suas arbitrárias e inconcebíveis leis e ordens.

Observemos os seguintes versículos:

“Enviamos os Nossos mensageiros com provas evidentes, e com eles o livro e a balança para que as pessoas observem a justiça”. (Alcorão 57: 25)

“Mas, sim, o homem está bem inteirado de si próprio. Ainda que apresente quaisquer argumentos que sejam”. (75: 15-16)

Consequentemente, o monoteísmo é a primeira e a maior obrigação que o servo ou criatura tem perante o seu Senhor; sendo assim, a pessoa antes de praticar qualquer adoração, deve ter a certeza de que ela é pura ou não e unicamente para Allah. Os versículos que se seguem dão-nos a evidência disso:

“E fica sabendo, portanto que certamente não existe de maneira nenhuma, divindade à parte de Allah e implora o perdão para o teu pecado assim como para os crentes”. (Alcorão 47: 19)

“E adorai Allah sem que Lhe associeis nada”.  (Alcorão 4: 36)

A partir daqui podemos meditar no que consiste a clareza da adoração no versículo abaixo:

“A virtude não consiste em virar os vossos rostos em direcção ao nascente nem ao poente. Mas (a verdadeira virtude) está em crer em Allah, no dia de juízo final, nos anjos, nos livros e nos profetas (que Allah enviou à humanidade)”. (Alcorão 2: 177)

O versículo que se segue confirma-nos que Hidaya (o caminho recto, guia) obtêm-se através da verdadeira crença em Allah.

“E qualquer pessoa que crê em Allah, (Allah) guia o seu coração”. (Alcorão 64: 11)

Neste contexto, Allah admoesta para nos entregarmos a Sua Majestade.

“E encomendai-vos a Allah, se sois (verdadeiros) crentes”. (Alcorão 5: 23)

Depois disto, meditemos então sobre o que é o Tauhid (Monoteísmo).


Unicidade e Luz
Explicando o Islam de forma clara e simples