Equívocos Sobre Al-Maulid

Aqueles que pensam que esta Bid’ah deve ser perdurar através de argumentos ilusórios e enganadores, que são mais frágeis do que uma teia de aranha; estes tais argumentos podem ser tratados da seguinte maneira:

1) As afirmações de que isto é uma veneração ao Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele]:

A resposta para isso é a forma correta de venerá-lo[1] é obedecê-lo, fazer o que ele ordenou, evitar o que ele proibiu, amá-lo e não ser homenageado por meio de inovações, mitos e pecados. Comemorar seu aniversário entra nesse tipo censurável simplesmente porque isso é um pecado. As pessoas que veneravam o Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] na maioria eram os Sahabah [que Allah esteja satisfeito com todos eles] como Ibn Mas’ud Uruah [que Allah esteja satisfeito com ele] que disse ao povo de Quraish: “Ó povo, juro por Allah que visitei os reis. Fui a César, Chasroes e Negus, mas eu juro por Allah que eu nunca vi um rei cujos companheiros o veneravam tanto quanto os companheiros de Muhammad. Por Allah, quando ele cuspia sua saliva nunca caia no chão, ela caia nas mãos de um de seus companheiros e eles a passavam em seus rostos e peles ela. Quando os instruía a fazer algo, se apressam em cumprir o que ordenou. Quando ele fazia uduu’ [ablução], quase brigavam pela água [os pingos que caiam dele]. Quando falou que deveríamos baixar suas vozes na sua presença, não o encarava-mos por respeito a ele”. [Al-Bukhari]. No entanto, apesar deste nível de veneração, nunca fizeram do dia de seu nascimento um ‘Iid [Festival]. Se isso tivesse sido prescrito no Islam não teriam se esquecido em cumpri-lo.

2) Usando como prova o fato de muitas pessoas em muitos países praticarem isso.

A resposta para isso é que as provas só podem consistir no que é comprovado a partir do que é demonstrado pelo Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele]. E o que esta comprovado a partir do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] é que as inovações são proibidas em geral, e esta comemoração é uma inovação. O que as pessoas fazem vai contra as evidências [dalil], não provando absolutamente nada através do fato de muitos a praticarem. Allah nos diz [significado em português]: “Aos incrédulos de nada lhes valerão a fortuna e os filhos, diante de Allah. Esses são os companheiros do Fogo [do inferno]. Nele permanecerão eternamente”. [Surah Al-‘Imran 3: 116].

Sem duvida, em todas as épocas sempre tiveram aqueles que denunciam essa presente Bid’ah e afirmam claramente que ela é uma falsidade. Aqueles que persistem em seguir isso depois da verdade ter sido explicada a eles, não possuem mais provas para recorrer e cair nesse erro.

Entre aqueles que denunciaram a celebração desta ocasião foram: Shaikh Al-Islam Ibn Taimiah em As-Sirat Al-Iqtidaa Mustaqim; o Imam AshShatibi em Al-‘Itisaam; Ibn Al-Haaj em Al-Madkhil; Shaikh ‘Ali Ibn Taaj AdDin ‘Umar Al-Lakhami que escreveu um livro inteiro que a denuncia; Shaikh Muhammad Al-Bashir Sahsauaani Al-Hindi em seu livro Siiaanah Al-Insaan; Al-Saiid Muhammad Rashiid Ridaa escreveu um ensaio sobre o tema; Shaikh Ibrahim Ibn Muhammad Aal Al-Shaikh escreveu um ensaio distinto sobre o mesmo; Shaikh Abd Al-‘Aziz Ibn Baaz, e outros que ainda estão escrevendo e denunciando essa Bid’ah a cada ano em páginas de jornais e revistas, num momento em que esta Bid’ah é generalizada.

3) Dizem que, ao celebrar o Maulid estão mantendo a memória do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele].

A resposta para isso é que a memória do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] é constantemente mantida viva pelos muçulmanos, como quando o seu nome é mencionado no Adhaan[2], no Iqaamah[3], nas Khutbahs[4], em cada vez que o muçulmano recita o Shahada[5], depois de fazer ‘Uduu’ [ablução] e nas orações, a todo o momento que se envia as bênçãos sobre o Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] em suas orações e quando ele é mencionado, cada vez que o muçulmano faz um ato Uaajib [obrigatório] ou Mustahabb [recomendado] prescrito pelo Mensageiro [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele]. Em todas estas formas [os muçulmanos] lembram dele e a recompensa equivalente a quem pratica essa ação se remonta ao Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele]. Assim, o muçulmano constantemente mantém viva a memória do Mensageiro [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele], tendo uma conexão com ele dia e noite ao longo de sua vida através do que Allah prescreveu, e não só no dia do Maulid ou em outras datas e ações inovadoras que vão de encontro com a Sunnah, pois, em verdade, isso coloca entre a pessoa e o do Mensageiro [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] uma distância, tendo essa ação negada pela própria Sunnah por falta de provas [dalil], e também será negado tal ato por ele [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] no Dia do Juízo Final.

O Mensageiro de Allah [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] não tem a necessidade desta celebração inventada, porque Allah já concedeu a veneração e o respeito a ele, como Allah, o Altíssimo nos diz [significado em português]: “E não enaltecemos a tua reputação?”. [Surah AshSharh 94: 4].

Isso ocorre porque o nome de Allah não é mencionado no Adhaan, Iqaamah ou nas Khutbahs, exceto que o Mensageiro [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] é mencionado depois de Allah; isso é veneração, amor, renovação de sua memória e incentivo suficiente para segui-lo.

Allah não se refere ao nascimento do Mensageiro [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] no Alcorão, ao contrário, Ele se referia à missão, e diz [significado em português]: “Em verdade, Allah agraciou aos crentes, ao fazer surgir um Mensageiro [Muhammad] dentre eles…”. [Surah Al-‘Imran 3: 164].

“Ele é Quem enviou aos iletrados um Mensageiro vindo deles…”. [Surah Aj-Jumu’ah 62: 2].

4) Dizem que celebrar o aniversário do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] foi introduzido por um rei que tinha conhecimento e apenas pretendia com isso se aproximar de Allah.

Nossa resposta a isso é que Bid’ah não é aceitável, não importando quem a comete. Uma boa intenção não justifica uma má ação, mesmo se uma pessoa conhecida como sábia e justa morre, isso não significa que ela tenha sido infalível.

5) Dizem que celebrar o Maulid vem sob o título de Bid’ah Hasanah [boa inovação] porque se baseia em dar graças a Allah através do Seu Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele]!

Nossa resposta a isso é que não existe nada de bom na inovação. O Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] disse: “Quem inovar algo em nossos assuntos [ou seja, no Islam] não sendo parte dele, será rejeitado”. [Al-Bukhari]. E ele [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] disse: “Toda inovação é um desvio”. [Ahmad e At-Tirmidhi]. A decisão sobre as inovações é que todas elas são extravios, porém este argumento enganoso sugere que nem todas as Bid’ahs são um desvio e existem boas inovações.

Ibn Rajab [que Allah tenha misericórdia dele] disse: “As palavras do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] “Toda a inovação é um desvio” é um comentário conciso porem abrangente, incluindo tudo, é um dos princípios mais importantes da religião. É como se suas palavras “Quem inovar algo em nossos assuntos [ou seja, no Islam] não sendo parte dele, será rejeitado”. [Al-Bukhari]. Quem invente algo e atribui isso ao Islam quando não possui nenhuma base na religião, estará em extravio não tendo nada haver com o Islam, mesmo que tenha a ver com questões de ‘Aqidah [fé], palavras externa e interna e ações”.

Essas pessoas não possuem nenhuma prova de que exista tal coisa como uma “boa inovação” além das palavras ‘Umar [que Allah esteja satisfeito com ele] relativa às orações do Tarauih[6] quando disse: “Que boa inovação esta”. [Al-Bukhari].

Também dizem que certas coisas inovadas não foram denunciadas pelos Salaf, tais como a compilação do Alcorão em um só volume e escrever e compilar as coleções de Ahadith.

A resposta para isso é que essas questões tinham uma base no Islam, portanto não eram recém-inventadas.

‘Umar [que Allah esteja satisfeito com ele] disse: “Que boa Bid’ah”. Esse significado de inovação é no sentido lingüístico e não no sentido da Shari’ah. Tudo que tenha uma base no Islam e for descrita como uma inovação é uma inovação no sentido lingüístico e não no sentido da Shari’ah, já que a inovação no sentido da Shari’ah significa que não tem nenhuma base no Islam.

A compilação do Alcorão em um livro tem uma base no Islam, porque o Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] havia ordenado que o Alcorão fosse escrito, porém foram espalhadas, de modo que os Sahabah [companheiros – que Allah esteja satisfeito com todos eles] o compilaram em um único volume para protegê-lo e preservá-lo.

O Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] conduziu seus companheiros na oração Taraiuh por um tempo, logo deixou de fazer para que não se tornasse obrigatória para eles. Os Sahabah [que Allah esteja satisfeito com todos eles] continuaram a rezar de forma individual durante a vida do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] e após sua morte, até que ‘Umar Ibn Al-Khattab [que Allah esteja satisfeito com ele] os juntou atrás de um Imam como rezavam atrás do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele]. Portanto, isto não foi uma inovação introduzida na religião.

Compilar as coleções de Ahadith também possui uma base na Islam. O Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] ordenou que alguns Ahadith fossem escritos por alguns dos seus companheiros quando perguntaram a ele sobre isso. Geralmente, fazer isso durante sua vida foi proibido, por medo de que o Alcorão pudesse ser misturado com coisas que não faziam parte da mesma [dos ditos do Profeta – que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele]. Quando o Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] morreu, esse medo já não era mais um fator, porque o Alcorão tinha sido concluído e disposto em ordem por ele antes de morrer. Os muçulmanos compilaram a Sunnah depois disso, a fim de preservá-la e evitar que ela fosse perdida. Que Allah os recompense com o bem em nome do Islam e aos muçulmanos por eles preservarem o Livro de seu Senhor e a Sunnah de Seu Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] de estar perdido ou de ser adulterado.

Podemos também dizer-lhes: Por que este ato de agradecimento, como é chamado, não feito pelas melhores gerações, os Sahabah, os Taabi’in e os seguidores dos Taabi’in, que mais amaram o Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] e que estavam mais interessados em fazer o bem e agradecer? São aqueles que introduziram a inovação do Maulid melhores guiados do que eles? Eles agradecem com isso mais a Allah? Definitivamente, não!

6) Dizem que comemorar o aniversário do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] é indicativo do seu amor por ele; esta é uma maneira de demonstrar isso, e que esse tipo de amor demonstrado ao Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] está prescrito no Islam!

A resposta para isso é que, sem dúvida, amar o Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] é obrigatório para todo muçulmano, deve amar-lo mais do que ama a si mesmo, seu filho, seu pai e toda a humanidade – que nossos pais se sacrifiquem por ele – mas isso não significa que devemos introduzir a prática de inovações, ainda mais se tais coisas não tenham sido prescritos para nós. Amar o Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] compreende em obedecê-lo e segui-lo, pois isso é uma das maiores manifestações de amor, como é dito: “Se o teu amor é sincero, então obedeça-o, pois o amante obedece a quem ama”.

Amar o Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] compreende em manter a sua Sunnah viva, apegando-se firmemente a ela e evitando palavras e atos que vão de encontro a ela. Sem dúvida, tudo que vai contra a sua Sunnah é uma inovação condenável [Bid’ah] e um ato manifesto de desobediência. Isso inclui o comemorar seu aniversário e outros tipos de Bid’ah. Ter boas intenções não significa que é permitido introduzir inovações na religião. O Islam é baseado em dois itens, a pureza da intenção e seguir o Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele].

Allah nos diz [significado em português]: “Sim! Quem entrega a face [submete-se] a Allah, enquanto benfeitor, terão seu premio junto de seu Senhor. E não serão presas do temor, nem se atribularão”. [Surah Al-Baqarah 2: 112].

Submeter a Allah significa ser sincero com Ele, e tomar dos melhores meios  possíveis seguindo o Mensageiro de Allah [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] colocando em pratica a sua Sunnah.

7) Outro de seus argumentos ilusórios é quando dizem que celebrar o Maulid e ler a biografia do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] nesta ocasião, incentiva as pessoas a seguirem o seu exemplo!

Dizemos a eles que a leitura da biografia do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele] e seguir o seu exemplo são necessários em todos os momentos para o muçulmano, durante todo o ano e ao longo de sua vida. Escolher um dia específico para isso sem nenhuma evidência para tal é uma inovação, e “… toda inovação é um desvio”. [Ahmad e At-Tirmidhi]. A Bid’ah não carrega nenhum fruto, porém o mal conduz a pessoa a se distanciar do Profeta [que a paz e as bênçãos de Allah estejam sobre ele].

Artigos Relacionados:
Comemorando o Nascimento do Profeta
Algumas Observações Sobre a Celebração do Nascimento do Profeta Muhammad

[1] Venerar no sentido de: ter grande consideração, respeitar, acatar; e não no sentido inicial alegado por aqueles que promovem essa inovação que é de idolatrar e/ou cultuar [que Allah nos afaste e livre deste e de outros atos ignorantes].

[2] Adhaan: Chamado avisando a entrada do tempo de uma oração.

[3] Iqammah: Chamado para a oração em grupo.

[4] Khutbah: Sermão e oração na sexta no horário da oração do Dhuhr.

[5] Shahada: Testemunho de fé.

[6] Tarauih: Orações realizadas a noite logo após a oração do ‘isha no mês de Ramadan.


Unicidade e Luz
Explicando o Islam de forma clara e simples