Palavras de Aconselhamento » Relações interpessoais

Como muçulmanos, a suposição padrão que devemos ter sobre as outras pessoas em qualquer assunto é que eles estão livres de culpa. O Islam Exige Justiça e imparcialidade quando se trata de julgar os outros.

Allah disse: “E quando falardes, sede justos, ainda que se trate de um parente”. [Surah Al-An’aam 6: 152].

Allah também disse: “Ó vós que credes! Sede perseverantes na causa de Allah e prestai testemunho, a bem da justiça; que o ódio aos demais não vos impulsione a serdes injustos para com eles. Sede justos, porque isso está mais próximo da piedade, e temei a Allah, porque Ele está bem inteirado de tudo quanto fazeis”. [Surah Al-Ma-idah 5: 8].

Não é correto que uma pessoa acuse alguém de algo errado, exceto com pleno conhecimento e provas concretas. É proibido basear um julgamento contra alguém através de conjecturas, boatos ou suspeitas.

Allah diz: “Ó vós que credes! Quando um perverso vos trouxer uma notícia, examinai-a prudentemente, para não prejudicardes ninguém por ignorância, e logo ficardes arrependido do que fizeste”.  [Surah Al-Hujjurat 49: 5].

Allah também nos adverte: “Ó vós que credes! Evitai tanto quanto possível a suspeita, porque algumas suspeitas implicam em pecado”. [Surah Al-Hujjurat 49: 12].

Nos casos em que alguém se vê obrigado a mencionar as falhas de outra pessoa, é melhor falar dos pontos positivos dela. É um erro dar uma importância exagerada nos defeitos da pessoa e aumentar suas falhas, especialmente se o erro foi cometido de forma honesta ou em um assunto onde a verdade não estava 100% clara.

Se o erro de uma pessoa é claramente manifesto e provado de forma sólida, então não é errado alertar as pessoas contra o erro e esclarecer a verdade. No entanto, essa correção deve ser realizada de forma adequada, de uma forma suave que não afugente as pessoas. O erro em si deve ser corrigido, nada mais que isso e não se deve aprofundar nele. Por exemplo, a pessoa que cometeu o erro não deve ser acusada de ter más intenções ou um motivo maléfico.

Al-Dhahabi, falando sobre os equívocos dos sábios, disse o seguinte: [Siiar Al-‘Alam Al-Nubala 14/374]:

“Se fôssemos desacreditar todas as pessoas que cometessem um erro de julgamento ou declarar essas pessoas como inovadores – pessoas que são essencialmente de boa fé e que sinceramente buscam a verdade – então dificilmente algum de nossos sábios seriam poupados”.

Falando sobre Qatadah – o ilustre sucessor – ele disse [Siiar Al-‘Alam Al-Nubala 2/271]:

“Ele foi quem afirmou o livre arbítrio humano ao ponto de negar Decreto Divino sobre as ações humanas. Pedimos a Allah que nos proteja de tais idéias. Por outro lado, nunca ninguém duvidou o mínimo que fosse de sua honestidade, sua integridade ou do poder de sua memória. É bem possível que Allah o perdoe e goste dele, mesmo tendo caído em certas idéias inovadoras, mas sem que tivesse nenhuma outra intenção a não ser glorificar Allah e deixá-LO sempre acima de todos os assuntos (dos maus atos que a pessoa comete). Allah é o juiz justo e misericordioso para com Seus servos, e Allah não será questionado sobre aquilo que Ele faz.

Devemos ter em mente que as pessoas de conhecimento, inteligência, integridade e devoção – que são meticulosos em investigar questões e que freqüentemente estão corretos nas suas conclusões – devem ser perdoados quando erram devido a seus julgamentos.

Suas boas qualidades e seu bom trabalho não devem ser descartados. Naturalmente, nós não seguimos aquilo que é comprovadamente um erro, independentemente de onde veio este erro. No entanto, nós não usamos isso para desacreditar o bem que uma pessoa tenha feito”.

E Allah sabe mais sobre todos os assuntos.


Unicidade e Luz
Explicando o Islam de forma clara e simples