Estimado Sr. Hamilton.

Sou leitor assíduo do Jornal Agora e graças a este excelente meio de comunicação, pude estar sempre a par do que se passava em nossa cidade e em nosso país, quando residi por 8 anos na cidade de Toronto, na Canadá.

Diariamente lia e muitas vezes relia o Jornal Agora e telefonava para minha família para dar as noticias sobre os acontecimentos, mesmo estando no outro lado do continente, graças a Internet lia o jornal muito antes deste chegar a minha residência familiar.

O Jornal Agora sempre me ajudou não somente como um meio de comunicação viável e gratuito, mas também em minha carreira como atleta, com as matérias que eram feitas quando meus títulos eram conquistados.

Aproveito o e-mail para expressar meus profundos e sinceros agradecimentos, por todas as matérias editadas em prol do desenvolvimento do esporte na cidade do Rio Grande.

Outro acontecimento que me deixou muito feliz, foi quando fui fazer a minha leitura diária do Jornal e deparei com o novo visual do site que foi muito bem, organizado.

Fiz questão de telefonar imediatamente para o Jornal para dar os parabéns por melhorar o visual.

Graças a minha estadia no Canadá e EUA e a minha fluência na língua inglesa, tenho lido paralelamente os principais jornais de cunho internacional dentre eles: The New York Times, The Sun, Arab News, Jerusalém Post, Toronto Star, Toronto Sun, El País, O Estadão de São Paulo e o Jornal Agora.

Vejo que nosso Jornal abrange temas atuais e não faz se diferente em relação a noticias referentes à seção mundial de um New York Times e digo isso com muita sinceridade.

O motivo maior de eu estar lhe enviando esse e-mail é pelo fato de eu há aproximadamente 10 anos ter me convertido à religião Islâmica.

Sei que nos principais noticiários a reputação de uma minoria de pessoas que se dizem muçulmanos ou que dizem falar em nome do Islam, tais como Osama Bin Laden etc…, acabam por denegrir a imagem da religião que o seu nome por si só significa submissão a Deus em “Paz” na língua árabe e é a única religião que não liga o nome a pessoa como é o caso do Cristianismo que liga ao Cristo, Budismo ao Sidarta Gautama “Buda” e Judaísmo que liga ao Profeta Judah, e sim diretamente a Deus unicamente e sendo que para os muçulmanos os profetas Jesus e Judah também são muçulmanos e nomeados no Al Corão.

Tenho acompanhado todas as matérias que o Jornal Agora tem editado principalmente na seção Mundo, que é a minha preferida.

Quando um muçulmano comete qualquer tipo de retaliação, protesto, ataques estúpidos a igrejas, templos aos nossos irmãos os Judeus em Israel por pura ignorância e falta de leitura do Al Corão que diz que os Judeus, os Cristãos, os Sabeus e todo aquele que crê em um Deus único e faz o bem, não precisará temer no dia da ressurreição porque o seu lugar no paraíso está garantido.

Quando por pura ignorância atos de crueldade são cometidos a primeira coisa que é estampada é a religião da pessoa.

Isso ocorre na mídia a nível internacional e com certeza há um propósito em divulgar a religião do muçulmano, pois quando no mundo muçulmano é proibido, por exemplo, a prostituição “não que não haja”, mas como no caso do nosso país que é escancarado a céu aberto ou pior o turismo sexual de estrangeiros procurando as nossas crianças, quando um muçulmano faz um protesto contra o conceito de democracia ocidental que vê a prostituição como uma coisa normal ele é taxado como terrorista, quando ele pede para a ONU – intervir nos assentamentos ilegais que o Jornal Agora mostra nos, quase que diariamente que ocorrem e pessoas sem pátria em campos de refugiados há anos sem ter para onde irem, quando isso tudo acontece aos olhos da humanidade e um muçulmano protesta todos dizem:

– Eis ai mais um terrorista.

Um protesto pacífico muitas vezes traz um bom resultado, não um protesto onde um homem entra com um colete cheio de bombas em um restaurante e se explode, tirando a sua própria vida e a de inúmeros inocentes.

O próprio Profeta Muhammad, aportuguesado erroneamente como Maomé (Que a paz de Deus esteja com ele) disse:

Três pessoas irão para o inferno.

1 – A pessoa que quer virar mártir para ser lembrado pelos outros.

2 – o Juiz que Julga injustamente

3 – Aquela pessoa que obtém conhecimento e não transmite e anda pelas ruas com jactância para ser visto e admirado pelos outros.

Quando o austríaco de 73 anos estuprou e engravidou a sua própria filha e a enclausurou por mais de 20 anos, ninguém falou qual era a religião dele.

Quando o maior terrorista de todos os tempos Adolf Hittler exterminou mais de 6 milhões de pessoas em campos de concentração, ninguém falou qual era a religião dele, mas fazem questão de dizer que ele era amigo de muçulmanos.

Quando os judeus foram expulsos da Espanha na época da inquisição eles foram para o Marrocos terra de muçulmanos.

A segunda maior colônia de judeus fora de Israel é no Iran um país muçulmano!

O que me deixa extremamente ofendido juntamente com os poucos muçulmanos de Rio Grande é quando toda vez que sai uma matéria sobre muçulmanos no nosso tão precioso bem informativo que é o Jornal Agora sempre um muçulmano ou é radical como a matéria sobre o Iman Awlaki, matéria esta que saiu igual até em palavras no Jerusalém Post, pois imprimi as duas matérias em português no nosso jornal e em inglês do J.P e as comparei e até as aspas “vivo ou moto” estavam em igual parecendo um Ctrl C – Ctrl P (copiar e colar).

Hoje li a matéria sobre o apedrejamento do Satã na peregrinação á Mecca.

Que diz a seguinte frase:

Em meio à desordem, centenas de milhares de pedras voavam por cima das cabeças dos peregrinos, que devem atirar sete pedras durante o primeiro dia contra a coluna que representa satã, chamado pelos muçulmanos de Iblis, no vale de Mina, perto de Meca. A coluna tem 30 metros de altura”

Deserdem? O Hajj a cada ano que passa esta cada vez mais cheio e organizado devido as inúmeras conversões em todos os paises inclusive no Brasil.

Estou enviando-lhe algumas fotos recentes da peregrinação e da para notar tamanha “desordem”.

O Hajj é a maior congregação mundial de fiéis, fato este que era para entrar para o livro dos recordes.

Mas a mídia sempre coloca o lado negativo do Hajj, de que centenas de pessoas morrem pisoteadas, ou sufocadas etc.

Não coloca que dois muçulmanos pedalaram nove meses da África do Sul e cruzaram nove paises durante nove meses para fazer o Hajj.

Não colocam na mídia que o peregrino mais novo do Hajj tinha 7 dias de nascido e nasceu durante a peregrinação.

Não divulgam que um hospital da Arábia levou mais de 300 pessoas enfermas e lhes oportunizara condições de peregrinar com voluntários para os carregarem em liteiras até o Monte Arafat.

Infelizmente não mostram o lado da religião Islâmica da caridade e faz com que esta religião seja a religião mais caridosa do mundo.

Não gostaria de estar enviando esse e-mail, mas me sinto profundamente ofendido como muçulmano e leitor.

E mesmo assim jamais deixarei de ler o jornal Agora.

Salam Malaikun

Que a Paz de Allah (Deus em árabe) esteja convosco.

Flávio dos Santos (Jihad)

Segue abaixo as fotos mencionadas

Este slideshow necessita de JavaScript.


Unicidade e Luz
Explicando o Islam de forma clara e simples