Artigos do Xeique » Culto & Devoção

A lua crescente pode ser vista hoje à noite e os muçulmanos começarão oferecendo suplicas normais para outros como por exemplo: “Que Allah te abençoe durante todo o mês”, “Que recebas a maior das recompensas”.

O jejum durante este mês é um ato de culto por excelência que demonstra a crença e os princípios do Islam.

Acreditamos em Allah e em Sua perfeição, nosso reconhecimento da nossa submissão a Ele na adoração é realizada quando nos abstemos de comida e bebida durante este mês. A pessoa em jejum  crê em seu Senhor e está consciente de que Allah está observando ele. Ele é consciente de que Allah sabe o que este faz tanto em aberto quanto em segredo, e que Allah conhece os segredos mais íntimos do seu coração.

Se uma pessoa se abstém de comer e beber sem ter a intenção de adorar a Allah, então isso não é um jejum. Da mesma forma, se uma pessoa faz uma firme intenção de quebrar seu jejum, em seguida, seu jejum é quebrado, mesmo se ele nada comeu ou bebeu.

Esta cultiva no coração a consciência do crente em Allah, tornando-se consciente de Allah em todos os momentos e circunstâncias, mesmo quando ele está cometendo pecado. Isso o deixa em prontidão e ansioso em fazer bons atos e evitar as mas ações. Desde que esteja sempre consciente de que Allah está olhando para ele, então teme e sente vergonha em fazer algo errado.

O jejum também confirma a nossa crença no Mensageiro de Allah (que a paz esteja com ele), uma vez que realizamos o nosso jejum da maneira que ele delineou para nós. Começamos e terminamos nosso jejum nos momentos que ele instruiu e em conformidade com a jurisprudência e os costumes que ele prescreveu.

O jejum foi prescrito por Allah para as pessoas que receberam as Escrituras antes de nós, mas isso não significa que eles jejuaram da mesma forma que fazemos. Quando jejuamos na forma em que estamos fazendo hoje, confirma a crença que Muhammad (que a paz esteja com ele) é definitivamente Mensageiro de Allah. Isso mostra que nós o amamos e o seguimos em nossa adoração. Isto deve levar-nos a tomar mais cuidado em seguir a Sunnah e tomar o Profeta (que a paz esteja com ele) como exemplo para todos nossos assuntos nessa vida.

Ao preferir a fome e a sede em vez dos prazeres deste mundo, demonstramos a nossa fé no invisível. Demonstramos nossa crença na outra vida, nossa esperança da recompensa, e nosso medo ao castigo, sabendo que o nosso jejum agrada a Allah e é uma forma para que alcancemos a recompensa do Paraíso.

Isso nos dá uma perspectiva equilibrada. Não devemos olhar apenas para considerações mundanas. Temos de considerar este mundo e o próximo. Devemos colocar o prazer de Allah e nossa obediência a Ele, antes de tudo, mesmo que isso signifique falta para fora em alguns confortos deste mundo. Nossas decisões não devem ser baseadas em considerações de ordem puramente material como riqueza, o lazer e o prestígio.

O jejum também traz o melhor de nossas éticas e educação. O jejum requer paciência. O jejum e paciência são quase a mesma coisa. Allah diz: “Procure a ajuda na paciência e na oração”. Alguns comentaristas disseram que a paciência aqui se refere ao jejum. O Ramadan foi chamado de “o mês da paciência”. Devemos ter em mente que a recompensa para a paciência não é outra senão o Paraíso.

A paciência é o auge da boa conduta. Sem ela, o crente não pode superar os desafios que enfrenta em sua religião e as crises que encara em sua vida mundana. A salvação na outra vida e a felicidade nesta com o dobro de recompensa por ter a paciência.

Paciência é o elixir que tem o poder de transformar as dificuldades da vida em seus prazeres e suas preocupações em alivio. Se somente com o aborrecimento de nossos jovens, o choro de nossos idosos, e o descontentamento de nossas mulheres, podem com isso aprender a paciência, chegariam a ver que ela é a cura para todos os males, a solução para todos os problemas, e o caminho para superar todos os obstáculos.

O código islâmico de conduta também é evidente na forma do jejum da pessoa, a alma é elevada através da adoração e através de uma redução em seus laços com as coisas mundanas. A alma nesse estado, naturalmente, se aproximará mais de seu Criador e O glorifica. O ser humano é definido como humano devido a sua alma, mais do que ele é definido como tal por sua forma física.

É igualmente evidente na forma como a pessoa em jejum considera o sofrimento daqueles que estão em necessidade, mesmo que a pessoa em jejua tenha experiência desse sentimento de forma temporária através de um ato voluntário de adoração.

É por isso que o Ramadan é o “mês da caridade”, como o califa ‘Uthman utilizada para chamá-lo. No final deste mês, há uma obrigatoriedade, a caridade especial que os muçulmanos participam de modo que todos possam compartilhar as alegrias das celebrações do ‘Id. Mesmo os pobres oferecem esta caridade se são capazes de fazer.

Também se revela o autocontrole o jejuador deve apresentar. Uma que jejua é consciente de seus esforços o tempo todo, que o ajuda a se abster de comportar-se inadequadamente. Muitos jejuadores são conscientes deste fato, mesmo fora do Ramadan.

O jejum traz uma forte identidade coletiva para os muçulmanos. Muçulmanos em todo o mundo experimentam o jejum em conjunto, enfatizando assim, a irmandade do Islã e o reforçando do sentimento de fidelidade que os muçulmanos tem supostamente uns para os outros.

Nos mostra que devemos nos libertar dos laços que comprometem a lealdade, substituindo por outros laços com outras pessoas no seu contexto próprio, de modo que nenhum deles compita com os laços espirituais existentes entre todos os muçulmanos.

Quantos de nós desejamos que todos os muçulmanos sejamos capazes de iniciar e terminar seu mês de jejum no mesmo dia, de modo que a unidade muçulmana pudesse ter maior atenção, e as divisões desenvolvidas entre nós que nos fazem separar possam ser eliminadas?

Mesmo que isso não possa ser alcançado, não há nenhuma desculpa que os muçulmanos de um país não possam começar e terminar seu mês de jejum em conjunto. Isto é especialmente relevante para os muçulmanos que vivem nos Estados Unidos, Austrália e outros países ocidentais.

É completamente inaceitável que um muçulmano ainda esteja em jejum, enquanto seu vizinho está comemorando o ‘Id e considera inadmissível o jejum nesse dia. É igualmente errado quando um muçulmano jejua considerando ser este o dia da ‘Arafah enquanto o seu próprio vizinho está comemorando muito o ‘Id Al Adha.

A fim de superar esse problema, devemos ser honestos, deixar de lado nossos interesses, o sectarismo, o nacionalismo, e dar prioridade ao espírito de comunidade sobre nós mesmos.

Jejuar relembra aos muçulmanos de seu dever de participar na jihad para defender o Islam contra a agressão inimiga. Muitas das batalhas decisivas na história islâmica tiveram lugar durante o mês do Ramadan. A batalha de Badr, a primeira vitória para os muçulmanos, teve lugar no Ramadan. Depois, houve a abertura de Makka, que finalmente deu o controle sobre Península Arábica aos muçulmanos. Logo teve Hittin, ‘Ayn Jalut, e muitas outras batalhas travadas contra os imperialistas durante o período colonial.

O mesmo livro, que prescreve o jejum para os muçulmanos prescreve que lutem por ele. Esta luta, porém, não é por causa de um grupo étnico ou raça, nem é pelo poder, conquista e pilhagem, mas sim para defender a fé e manter a palavra de enaltecer Allah, “de modo que não haverá contenda e que assim toda a religião será para Allah”.

Algumas pessoas nunca aceitarão o convite para o Islam, nem podem compreender suas pacíficas aberturas. Eles são arrogantes, violentos e inflexíveis e entendem apenas a linguagem da força. É por isso que Allah enviou o Seu Mensageiro (que a paz esteja com ele) com o Livro e com o ferro. “Enviamos os Nossos Mensageiros com sinais claros e enviamos, com eles, o Livro e a Balança (do bem e do mal), para que os homens observem a justiça, e descemos o ferro, e nele há algo poderoso (material para a guerra), assim como muitos benefícios para a humanidade, que Allah pode testar quem é que irá ajudá-Lo e a Seus mensageiros, embora invisíveis, porque Allah é Fortíssimo, Poderoso”. (Surah Al Hadid 57: 25).

O livro e os sinais claros são à base da mensagem. O ferro está lá para defendê-lo. Esta é sua revelação e sua defesa contra aqueles que tentam extingui-lo. A revelação é a cura para os povos da razão. Força é a única cura para os agressores ignorantes.

Existem aqueles que estão causando estragos, opressão e pilhagem na Palestina, Chechênia, e em outras terras muçulmanas ocupadas e devastadas pela guerra. Os que resistem a eles, a fazem em nome de todos os muçulmanos. Eles estão realizando a nossa responsabilidade de proteger a fé. É, portanto, a obrigação dos muçulmanos para lhes dar apoio sincero e verdadeiro e não apenas “sentimentos” por eles.

O Ramadan fará que retornem os mulçumanos ao caminho correto do conhecimento, cheio de espírito, vida, e caridade? Ou será que vai continuar a ser cheio de sono, preguiça, perda de tempo; e vamos continuar a passar as noites em prazeres culinários, divertimentos e má conduta?

O Allah! Retorne os muçulmanos a sua religião de uma bela maneira e una-os em sua obediência. Protegê-los do mal e corrija seus atos. Aceite  suas obras e perdoe suas deficiências. Ajude-os praticar cada ato de justiça e mantenha-os longe de todo pecado. E louvado seja Allah, Senhor do Universo.


Unicidade e Luz
Explicando o Islam de forma clara e simples