O Que Não é o Islam

Sabemos que o Islam é um sistema de vida integral, que trata dos assuntos de interesse tanto individual como particulares do ser humano, como também familiares, comunitários, de governo e de relações internacionais. Tampouco é menos certo que sua doutrina tem sido mal interpretada e mal usada. Existem escritores muçulmanos que recordam as leis e prescrições originais do Islam, sem duvida, por outro lado, também são formado através dos tempos costumes errados que tem sido adaptadas como parte deste sistema do Islam, que nada tem haver com o mesmo. Portanto, é ocupação neste ponto esclarecer especificamente “O Que Não é Islam”.

1º. Islam não é uma religião do atual conceito de religião no ocidente, apesar do que, as obrigações rituais são parte do Islam, este funciona a ambos sem problema algum, quer dizer, que o estado e a religião dentro do mesmo contexto. Assim podemos ratificar que no Islam não existe uma separação entre vida secular e a religiosa.

2º. O Islam não deve conotar-se com a palavra “Maometanismo”. E os seguidores do Islam não se chamam “Maometanos”. A palavra Islam vem das raízes árabes “S L M”, “Salama” que quer dizer paz e total submissão a vontade de Allah, Único e Soberano Deus. Aquele que luta consigo mesmo para viver em harmonia com sua família, sociedade e por sobre todos com Seu Senhor, Allah, se chama um muçulmano. Todo o que adora e se submete a vontade de Allah, tanto em vida publica como na vida privada, se conhece como um muçulmano. Portanto, o muçulmano não adora a Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele), a quem tão pouco considera como o fundador do Islam. O fundador que se vincula ao termo é Allah mesmo, que estabeleceu essa forma de vida chamada Islam, que no inicio mesmo dos tempos, sendo O mesmo (Allah) que escolheu esse nome para sua religião. Então esta forma de vida se chama Islam e os seguidores ou professantes do Islam se chama “muçulmanos”.

3º. A palavra “Muçulmano” não é um sinônimo que esteja vinculado unicamente com a raça árabe e vice-versa, qualquer um que fale, se comunique, leia e entenda árabe, é um árabe. Portanto, ser um árabe não é um qualificativo genético de identidade, ele somente é uma pessoa que a língua nativa é o idioma árabe. Sabe-se que o Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) disse: “O árabe é a língua”, assim uma pessoa pode encontrar árabes cristãos, árabes judeus, árabes muçulmanos, etc. Calcula-se que atualmente existem 1.500 milhões, isto é, 1 bilhão e meio de muçulmanos no mundo dentre os quais só 260 milhões são árabes.

4º. O Islam não é uma “Teocracia”. Quer dizer, no Islam não existe uma pessoa ou instituição alguma que represente a deus exclusivamente sobre a face da terra. No Islam não há um papado equivalente que possa realizar mudanças ou emendas, que possam favorecer ou não, as condições de algum grupo ou sociedade. Nada e nem ninguém tem o direito de legislar ou emitir mudanças nas áreas religiosas, sociais, religiosas, políticas que sejam contrarias ao principio do Islam. Ninguém tem o direito de interpretar o Islam de acordo com sua conveniência ou com um fim particular. O Islam já foi interpretado, explicado e exemplificado em uma forma vivida e pratica, pelo ultimo Mensageiro de Allah; Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele).

5º. O Islam não é uma “Teologia” ou “Teosofia”. O Islam é uma completa forma de vida que trata dos assuntos sociais, econômicos, políticos, etc; assim como também, das praticas religiosas. No Islam Allah é o Único merecedor de louvores e glorificação, por tanto, o Único de quem emana leis, sendo que Ele é Altíssimo, Soberano e Supremo.

6º. O Alcorão não é uma escritura dentro da ótica ocidental, se não, que é, uma revelação direta da palavra de Allah ao Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) através do anjo Gabriel. O Alcorão é a fonte suprema da legislação islâmica para os muçulmanos, os “Hadices” são a recopilação de tudo o que fez e disse em sua vida nosso Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele), e isto se chama “Sunnah”. É a tradição, explicação e interpretação do exemplo pratico que levou o Profeta Muhammad (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele). Esta “Sunnah” é a segunda fonte de legislação para o muçulmano.

7º. Não há clérigo, hierarquia clerical ou monasticismo no Islam. O muçulmano é encorajado a desfrutar das coisas boas e licitas da vida como um ser humano, o povo sobre a paz da terra são pessoas e não anjos, nem tão pouco animais. Os seres humanos devem desenvolver todas as responsabilidades dentro dos parâmetros pré estabelecidos por Allah.

8º. Não há o pecado original, nem existe tampouco o conceito de tal pecado geral, não há a confissão dos pecados a pessoas, se não, a relação direta com o Criador para alcançar seu perdão.

9º. A palavra “Wuali” como conceito de pessoas super-natural, santo, milagroso, intercessor, etc; não existe no Islam. Aquele que conceitue a outra pessoa como um santo (wuali) ou que se acerque da tumba de alguém para alcançar ou pedir algo deste, esta cometendo um ato de “Shirk”, ou seja, associação, politeísmo. Que, portanto, esta atuando definitivamente de encontro com os ensinamentos do Islam.

10º. Não há divindade atribuída a nenhum um ser humano. Cada pessoa é um ente como um tal e não deve ser elevada um grau de divindade.

11º. O Islam não compartilha com os seguintes sistemas políticos ou econômicos: socialismo, comunismo, nacionalismo, capitalista e totalitário. O Islam tem seu próprio sistema político, social, econômico, educacional e religioso que se encontra dentro do Islam mesmo.

12º. Não existe o conceito de partidos no Islam. Cada muçulmano é zeloso custodio de que lhes administrem os assuntos da nação muçulmana, o se cometem erros, cada muçulmano deve tratar de corrigi-los oferecendo conselhos e sugestões. O Profeta Muhammad  (que a paz e as bênçãos de Allah estejam com ele) disse: “Quem dentre vocês veja uma má ação; que a mude com sua mão, se não puder com sua língua, e se não puder, então em seu coração, e isto é o mais fraco da fé”. O muçulmano não pertence a partidos A ou B, o muçulmano esta eqüitativamente ativo nos setores que conformam na sociedade que esta, e seu interesse primordial é a Complacência de Allah, mas não de interesses pessoais. Cada muçulmano deve estar ativo e positivamente interessado aos assuntos concernentes a “Ummah” (comunidade) Islâmica. Allah disse no Alcorão na surata Al-Imran (3) versículo 104 diz: “E que surja de vós uma nação que recomende o bem, dite a retidão e proíba o ilícito. Esta será (uma nação) bem-aventurada”.

13º. O fanatismo não é parte do Islam, e o Islam esta contra daqueles que são fanáticos. A tradição que se enfrenta os assuntos no Islam é simples, fácil de aplicar, realista e prático. O Islam se baseou no anuncio de boas novas e não em ameaças.

14º. Os muçulmanos não são radicais nem reacionários e nem fascistas, porem por outro lado, tampouco são passivos, nem intimidados e tampouco devem abaixar a cabeça ante nada que não seja Allah, para que nenhuma injustiça venha contra eles. Os muçulmanos não são extremistas nem espiritualmente nem materialmente, foram feitos para dar justiça sendo uma nação moderada, assim nos temos feito uma comunidade eqüitativa para que se faça exemplo ante o resto da humanidade, assim como o Mensageiro é um exemplo ante os outros. Isto esta no Alcorão na surata Al-Baqara (2) no versículo 143: “E, deste modo, (ó muçulmanos), contribuímo-vos em uma nação de centro, para que sejais, testemunhas da humanidade, assim como o Mensageiro e será para vós….”.

15º. A idéia de assassinar a pessoas inocentes é totalmente ao contrario dos ensinamentos islâmicos, e os que as praticam se afastam grandemente do Islam.

Conclusão: Quando os muçulmanos tenham mudado eles primeiro, e se encontrem prontos para acertar e implementar a mensagem do Islam em sua totalidade, então o Islam será bem entendido em todas as latitudes, se difundirá e será novamente a forma de vida justa que Allah ordenou para o gênero humano.


Unicidade e Luz
Explicando o Islam de forma clara e simples